2017/06/25

A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO


  evangelhoII.jpg

Evangelho no Lar para   26/06/ 2017 com início às 21 horas
  • A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO
Estimadas irmãs e irmãos em Cristo.
Diariamente temos novos elementos em nosso grupo, por isso, esclarecemos que se  você não desejar receber mais nossas mensagens, pedimos o favor de nos informar através do @ que a recebeu, respeitaremos a manifestação de vossos sentimentos e os respeitaremos promovendo a exclusão se seu e-mail de nossa lista.

Prece Inicial

Iluminação

Senhor se no mundo que me cerca eu não puder enxugar uma lágrima
Não conseguir dizer uma palavra de conforto fazer alguém sorrir de verdade
O Deus se eu não souber ser justo humilde atencioso e promotor da esperança na
terra.
Se não puder lutar contra as injustiças,agir com dignidade
Deixar de me irritar com as pequenas coisas
Compreender que os outros também têm suas limitações
Senhor se eu não souber aceitar a tua vontade acima da minha própria vontade
Então, não permita que eu condene as guerras e ore pela paz
Não aceita a oferta que eu te oferecer. Nem escute os meus constantes pedidos de
socorro. Mas quando vier te pedir perdão.
Oh Deus, perdoa-me por inteiro e lava meu coração no sangue da nova e eterna
aliança contigo por meio de Jesus teu filho amado. Ilumina a minha inteligência
e a minha vontade, para que eu possa viver na tua presença todas as horas do dia e todos os dias da vida.
Amem em Jesus

novologo3.png

Leitura.
A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO
A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO - FRANÇOIS-NICOLAS-MADELAINE - Cardeal Morlot, Paris, 1863
Não sou feliz! A felicidade não foi feita para mim exclama geralmente o homem, em todas as posições sociais.
Isto prova, meus caros filhos, melhor que todos os raciocínios possíveis, a verdade desta máxima do Eclesiastes: "A felicidade não é deste mundo." Com efeito, nem a fortuna, nem o poder, nem mesmo a juventude em flor são condições essenciais da felicidade.
Digo mais: nem mesmo a reunião dessas três condições, tão cobiçadas, pois que ouvimos constantemente, no seio das classes privilegiadas, pessoas de todas as idades lamentarem amargamente a sua condição de existência. Diante disso, é inconcebível que as classes trabalhadoras invejem com tanta cobiça a posição dos favorecidos da fortuna.
Neste mundo, seja quem for, cada qual tem a sua parte de trabalho e de miséria, seu quinhão de sofrimento e desengano. Pelo que é fácil chegar à conclusão de que a Terra é um lugar de provas e de expiações.
Assim, pois, os que pregam que a Terra é a única morada do homem, e que somente nela, e numa única existência, lhe é permitido alcançar o mais elevado grau de felicidade que a sua natureza comporta, iludem-se e enganam aqueles que os ouvem. Basta lembrar que está demonstrado, por uma experiência multissecular, que esse globo só excepcionalmente reúne as condições necessárias à felicidade completa do indivíduo.
Num sentido geral, pode afirmar-se que a felicidade é uma utopia, a cuja perseguição se lançam as gerações, sucessivamente, nem jamais a alcançarem. Porque, se o homem sábio é uma raridade neste mundo, o homem realmente feliz não se encontra com maior facilidade.
Aquilo em que consiste a felicidade terrena é de tal maneira efêmera, para quem não se guiar pela sabedoria, que por um ano, um mês, uma semana de completa satisfação, todo o resto da existência se passa numa sequência de amarguras e decepções. E notai, meus caros filhos, que estou falando dos felizes da Terra, desses que são invejados pelas massas populares.
Conseqüentemente, se a morada terrena se destina a provas e expiações, é forçoso admitir que existem, além, moradas mais favorecidas, em que o Espírito do homem, ainda prisioneiro de um corpo material, desfruta em sua plenitude as alegrias inerentes à vida humana. Foi por isso que Deus semeou, no vosso turbilhão, esses belos planetas superiores, para os quais os vossos esforços e as vossas tendências vos farão um dia gravitar, quando estiverdes suficientemente purificados e aperfeiçoados.
Não obstante, não se deduza das minhas palavras que a Terra esteja sempre destinada a servir de penitenciária. Não, por certo. Porque do progresso realizado podeis facilmente deduzir o que será o progresso futuro, e das melhoras sociais já conquistadas, as novas e mais fecundas melhoras que virão. Essa é a tarefa imensa que deve ser realizada pela nova Doutrina que os Espíritos vos revelara!
Assim, pois, meus queridos filhos, que uma santa emulação vos anime, e que cada um dentre vós se despoje energicamente do homem velho. Entregai-vos inteiramente à propagação desse Espiritismo, que já deu início à vossa própria regeneração.
É um dever fazer vossos irmãos participarem dos raios dessa luz sagrada. À obra portanto, meus caros filhos! Que nesta reunião solene, todos os vossos corações se voltem para esse alvo grandioso, de preparar para as futuras gerações um mundo em que felicidade não seja mais uma palavra vã.
O Evangelho Segundo o Espiritismo - Allan Kardec - cap. V
banner (1).jpg

Comentário

EM BUSCA DA FELICIDADE
EM BUSCA DA FELICIDADE
A FELICIDADE EXISTE?

À entrada do cinema, o título do filme chamava atenção: "Quero ser feliz". Retratava a sede humana de felicidade, por um estado de perfeita ventura, dita perfeita, inteiro contentamento, satisfação plena.

E me recordei do poeta Vicente de Carvalho, no seu soneto "Velho tema" a nos falar desesperançado:

Só a leve esperança, em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada;
Nem é mais, a existência resumida,
Que uma grande esperança malograda.

Entretanto, há quem ostente felicidade traduzida em seus risos e sorrisos, como artistas e apresentadores de televisão. Bem, mas talvez o façam por obrigação, para agradar o público e, assim, terem seu lugar ao sol.

É como disse Raimundo Correia, em "Mal secreto":

Quanta gente que ri,
talvez, consigo,
Guarda um atroz,
recôndito inimigo,
Qual invisível chaga cancerosa.
Quanta gente que ri,
talvez, existe
Cuja ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!

Então, a felicidade não existe, mesmo? Voltando a Vicente de Carvalho, aprenderemos:

Existe, sim,
mas nós não a alcançamos
Porque está sempre apenas onde a pomos
E nunca a pomos onde nós estamos.

Estaria, então, a felicidade no nosso modo de entender e de sentir?

Como aquele menino que ganhara no Natal a bicicleta que pedira, mas ficara infeliz ao ver que era azul e não vermelha como queria, enquanto um menino pobre, encontrando ao lado de seu estrado um pouco de estrume, comentava feliz: Papai Noeí me trouxe um cavalinho de presente, só que ele está passeando por aí.

Ah, este menino não era realmente feliz, iludia-se, não havia o motivo pelo qual se alegrava...

Será a felicidade apenas uma ilusão?
DE QUE DEPENDERÁ?

Deve haver condições básicas reais para a felicidade. Quais serão?
POSSES MATERIAIS"?

Conta-se que, encontrado, depois de exaustivas buscas, um homem que se sentia inteiramente feliz, pediram-lhe que emprestasse sua camisa para que o seu rei, doentiamente tristonho, pudesse também sentir-se bem.

Mas, que surpresa atordoante! O homem feliz não tinha camisa...

Enquanto uns dizem que o dinheiro não traz felicidade, outros informam, mas manda buscar, e terceiros afirmam prefiro ser infeliz rico.

E há mesmo ricos infelizes, como os que não gozam de saúde e, apesar de poderem adquirir os alimentos mais saborosos, não os podem consumir, restritos a dietas rigorosas, às vezes sem sal e sem açúcar.
ESTARIA A FELICIDADE EM TER SAÚDE?

Certamente, estar saudável traz sensações agradáveis e nos permite usufruir mais da vida corpórea. Contudo, quantas pessoas saudáveis há que se sentem tremendamente infelizes!
QUEM SABE, A FELICIDADE É PATRIMÔNIO DA JUVENTUDE?

Certa reportagem apontou que duas jovens universitárias paranaenses, de 21 e 19 anos, que estudavam em outro estado, deixaram carta em que reconheciam pertencer a famílias de muitos recursos, mas estavam "insatisfeitas" com a vida que levavam. Eram jovens, não eram pobres nem doentes, porém, de tão descontentes se suicidaram.
TALVEZ LHES TENHA FALTADO O AMOR CORRESPONDIDO ?

Dizem que no céu há um queijo que ainda ninguém conseguiu partir, destinado aos casais felizes, e o que mais se vê são casais infelizes, revelando ser muito difícil o "céu a dois".

Mesmo quem reúna essas quatro condições, dinheiro, saúde, juventude e amor, e outras mais que se entendam necessárias, pode não ser inteiramente feliz, porque há na vida lutas naturais e dores morais, sendo impossível evitá-las todas.

Nem mesmo os hippies deixavam de sentir o desconforto em que viviam, apesar de por ele optarem, e a falta de apreço e de apoio social.

E todos nós, mesmo no que gostamos de realizar, encontramos os "ossos do ofício", como o pintor de telas que sofre a intoxicação pelas tintas, ou o esportista que luta com o seu "cotovelo de tenista".

Curioso é que, removida uma causa de desconforto e incômodo, outras assumem relevância. Assim é o "grilo" no carro, que o mecânico conserta, mas, daí a pouco, outro aparece. Ou a esposa que achava ser o marido o seu problema, mas, afastado ele, sentiu-se presa na interferência de toda a família.

Supondo que pudéssemos suprimir todas as difi¬culdades e problemas, acaso alcançaríamos a felicidade? Ou ainda sentiríamos a insatisfação ou tédio, indagan-do-nos: A vida é só isso? Porque não basta não sentir mal¬estar, é preciso sentir bem-estar para sermos felizes.

SUA INSTABILIDADE

Mesmo que tenhamos condições básicas reais para a felicidade, e saibamos valorizar as condições que já temos, mesmo que coloquemos nossa perspectiva em algo que podemos atingir e ter, ainda assim talvez não sejamos felizes.

Porque a felicidade neste mundo é instável. Não podemos deter as situações prazerosas, uma vez que elas também se transformam a cada instante. Lamentava o seresteiro, em conhecida canção:

Felicidade para que me vieste

Se após partiste e não mais voltaste.' (...)

Eu te quis tanto porque pensava
que se viesses não mais te irias (...)
que sempre fosses a minha escrava
que te alongasses pelos meus diasl

Felicidade, tu não conheces

A dor que mata de uma saudade,

Felicidade, para que me vieste?

Por que te foste, felicidade!
ESPIRITISMO E FELICIDADE HUMANA

Neste ponto, talvez comecemos a nos indagar se o Espiritismo pode oferecer alguma contribuição para a nossa felicidade...

Verifiquemos, lembrando quanto a Doutrina Espírita nos vem ensinando.
Primeiramente, ela nos alerta que, embora ligados ao corpo, somos seres espirituais. Há disso provas experimentais nas manifestações anímicas, que se dão fora do corpo ou sem ele (out of the body experiences), como nas manifestações mediúnicas (TCM) e instrumentais (TCI).

Sendo assim, precisamos atender nossa real natureza, que é de espírito imortal. Sem atender as necessidades espirituais, não conseguiremos atingir a felicidade desejada, daí o fracasso das filosofias hedonistas.

Somos seres espirituais, sim, mas estamos encarnados, portanto, não podemos pensar somente em termos espirituais. Os que tentam escapar à realidade da condição de encarnados, optando por fugas de inspiração religiosa ou pelas drogas, acabam encontrando decepção, melancolia, angústia, desequilíbrio.

As almas de escol, os mais evoluídos, não fogem à realidade da vida neste mundo, mas encontram nos fatos da vida terrena um significado superior, "espiritualizando" sua atividade aqui na Terra.
COM ISSO ALCANÇAM A FELICIDADE COMPLETA?

Tal felicidade não é deste mundo! Estamos em processo de evolução.

Nem todas as situações de felicidade do Espírito são para aqui e agora, nem no plano espiritual imediato.

Felicidade completa, perfeita, só a teremos em longo prazo. Por isso, sempre o anseio, a busca, o querer uma felicidade que ainda não temos, mas pressentimos existir. Esse anseio constante não é para nos fazer experimentar o sofrimento de uma insatisfação perene, pelas alegrias que ainda não podemos fruir, e sim para nos servir de estímulo, como uma abertura de horizonte, apontando as alegrias que nos aguardam para o futuro.

Existe, porém, uma soma de felicidade possível para cada ser, qualquer que seja o seu estágio evolutivo. Com relação à vida material, é a posse do necessário, com relação à vida moral, é a consciência tranquila e a fé no futuro, aprendemos na resposta à questão 922, de O Livro dos Espíritos.

Para o espírito encarnado na Terra, as condições básicas possíveis de felicidade seriam talvez:

- sentir-se capaz, física e intelectualmente (no que lhe é concedido);

- estar satisfeito na afetividade (sabendo conviver e aceitar);

- sentir-se adaptado em seu ambiente social;

- ter ensejo de aprendizado e trabalho criador;

- gozar de alguma vivência espiritual.

Em resumo: tudo que enseja ao ser humano estar sempre em ação construtiva, com prazer e progresso. Condições que, na maioria, todos as temos.
MAS HAVERÁ OS QUE AS TENHAM POUCAS, ou TALVEZ NENHUMA. POR QUÊ?

E que estamos encarnados num mundo de provas e expiações.

Aqui, temos e deixamos de ter para experiência. Assim como se fecham os olhos para ouvir melhor, ou se veda o teclado do aprendiz para que desenvolva outros sentidos, a vida pode nos impedir certas experiências, em favor de nosso desenvolvimento em outros setores. Passamos cada qual por provas diferentes por serem diferentes as nossas necessidades individuais, no momento.

E também podemos ter ou deixar de ter, alguma daquelas condições, por expiação. Será, então, um efeito a superar ou suportar, originado no passado, naquilo que já fizemos.

Ante provas e expiações, uma oração inteligente, atribuída aqui e ali a diferentes autores, diz: "Senhor, dá-me coragem para mudar o que pode e deve ser mudado; resignação para suportar o que não pode nem deve ser mudado; e sabedoria, para distinguir uma coisa de outra".

Como poderemos anular o que temos por expiar? Apenas sofrendo resignadamente?

Amando! Isto é, exercendo ação benéfica, porque "O amor cobre a multidão de pecados" (Pedro, I epístola) e Jesus ensinou (Lc 7:36/50) que "aquele a quem pouco se perdoa, é que pouco ama". Se amarmos, teremos no bem que fizermos o sinal certo do "perdão" divino, da oportunidade de ressarcir o erro fazendo o bem no lugar do mal.
AS CONDIÇÕES QUE JÁ TEMOS

Reafirmemos que a maioria de nós, os encarnados, temos várias das condições de felicidade terrena.

Que nos falta, então? Reconhecer, valorizar, manter essas condições e delas saber usufruir.

Reconhecer é como o "contar as bênçãos", que a menina Pollyana realizava em seu "jogo do contente". Recebendo, de um amigo que prometera visitá-la, o recado de que ele não poderia vir, porque lhe surgira convite para uma festa, a menina, presa à cadeira de rodas, em vez de se magoar e ficar acusando o amigo ausente, diria: Meu amigo não vem, porque vai a uma festa... Meíhor, quando vier, terá muito mais novidades para me contar do que se viesse agora.

O valorizar pode estar representado, por exemplo, no não descuidar da saúde, ou do tempo de que dispomos. Temos cuidado bem de nossos dentes, as 32 pérolas que Deus nos deu a todos?

Que estamos fazendo do nosso tempo, como estamos empregando os 86.400 segundos do nosso dia? Sim, porque são 60 segundos por minuto, 3.600 segundos em cada hora a serem multiplicados pelas 24 horas do dia.

O manter consiste em sustentar, fazer perdurar as situações que são para nós motivo de alegria, de bem-estar. Cultivemos os afetos, a ternura e o devotamento pelos cônjuges, pais, filhos e amigos, que nos felicitam a vida e sem os quais não nos sentiremos realizados.

Procuremos sustentar todas as situações que contribuam para que nos sintamos felizes, mas não pensemos somente no agora, ajamos com vistas à imortalidade.

Saibamos usufruir das condições de felicidades que temos, "curtindo-as", mas com moderação, pois a vida é como uma taça de ambrósia, que se deve sorver apreciando e não apressada e esganadamente.
Incluamos, neste item, a inteligente contenção e reserva de forças, para que delas possamos usufruir no momento oportuno e necessário.
Para nos fazer entender o valor da disciplina, diz André Luiz que basta observarmos o desgoverno de um carro sem freios.
E convém, ainda, deixar em tudo certa "margem para as oscilações", os altos e baixos da vida. Até os ciclos vitais oscilam e ora nos levam à lentidão e ora nos impulsionam à atividade. Nos bons momentos, não exageremos nem nos exaltemos, e nas dificuldades não nos aflijamos demais nem nos desesperemos.
COMO CONSEGUIR MAIS FELICIDADE?

Desenvolvendo o próprio eu, conquistando novas condições: pelo estudo e pelo trabalho, que trazem progresso material e intelectual; pela semeadura positiva no campo afetivo; pelo cultivo do potencial espiritual que todos temos.
TALVEZ VOCÊ ACHE QUE JÁ TEM TODA A FELICIDADE QUE QUER

Recorde, porém, que ela é instável, pelas naturais transformações e fases da vida. De acordo com a evolução, acontecem essas fases e as etapas de felicidade.

Não basta, pois, apenas sustentar as situações de felicidade, é preciso também renová-las ou criar outras situações capazes de gerar felicidade, num constante adaptar-se e construir.

Assim, quando uma fase de felicidade se esgotar ou impedir, dentro do processo da vida e das mutações do progresso, teremos outras, como vamos descobrindo os encantos de cada idade, de cada plano de vida, ou de cada situação.

Em suma, para ser feliz sempre, constantemente, em qualquer fase da vida, há que, também sempre, constantemente, reconhecer, descobrir ou criar condições de felicidade dentro do que se tenha e do que se possa alcançar.

A felicidade é, enfim, uma construção ativa e constante para o bem!

Mas não a ponto de cair na "inquietude" por querer ser feliz. Há pais que agitam e perturbam sua criança, querendo fazê-la sentir logo muitas, todas as felicidades e prazeres da existência. E há pessoas que fazem isso consigo mesmas.
FELICIDADES QUE NOS ENSEJAM O CONHECIMENTO DOUTRINÁRIO E TAMBÉM O MOVIMENTO NA SEARA ESPÍRITA

São muitas e preciosas. Relacionemos algumas. São motivo da felicidade possível na Terra:

A compreensão de quem somos, de onde viemos, por que estamos aqui, para onde iremos, nos favorece.

O saber que não há condenação eterna nos traz alívio e calma, e que alento encontramos na legítima esperança de podermos reajustar nossa situação!

Contar com a certeza de amparo sempre e progresso constante, se agirmos bem, é extremamente motivador.
E temos recursos de socorro, em atividades como a prece, o passe, o intercâmbio mediúnico.
Podemos "tirar férias de nós mesmos", como diz André Luiz, para sairmos da nossa paisagem rotineira interior e nos relacionarmos com outras pessoas e, na tentativa de as entender e ajudar, encontrarmos a amizade de muitos e o prazer de ser útil, de servir.
Sobre o tema da felicidade, alguns pensamentos que homens bons e sábios deixaram, trazem-nos orientação, conforto e alento:

"Os únicos homens verdadeiramente felizes são os que buscam uma maneira de serem úteis aos outros." (Aíbert Schweitzer)

"Nada é melhor para a felicidade que trocar preocupações por ocupações." (Maurice Maeterlinck)

"A felicidade não é uma estação onde chegamos. E a maneira de viajar." (Roque Schneider)
Finalmente, o conselho de um bom espírito, através da psicografia de Francisco C. Xavier, para que logremos trilhar o caminho que nos pode fazer felizes.
"Se queres felicidade no campo que te rodeia Nunca entreteças teu ninho em galho de dor alheia." (Focion Caldas)
E' legítimo o nosso anseio por maior e melhor felicidade em nossa vida. Porém, somente progredindo, evoluindo para melhor, entenderemos como agir para produzir situações de felicidade, sabendo reconhecer as que já alcançamos e delas usufruindo com acerto.
Pela mesma via mediúnica, de Armando Candelario, um último pensamento, que nos esclarece e alerta quanto à questão da felicidade:

Lição que, em todos os tons,
É sempre luz onde pises;
Primeiro, sejamos bons,
Depois seremos felizes.

Therezinha Oliveira

 65148472-c83e-4c00-b8c2-cd4bf1ba1796_6.jpg
Mensagem

Senhor ilumina todos os lares, hospitais, Hospícios, cadeias e todo Universo de
necessitados
Pai celestial, que habitais o meu interior, impregna com a Tua Luz vital cada
célula de meu corpo, expulsando todos os males, pois estes não fazem parte de
meu ser. Na minha verdadeira realidade, como filho de Deus perfeito que sou, não
existe doença; por isso que se afaste de mim todo o mal, todos os bacilos,
micróbios, vírus, bactérias e vermes nocivos, para que a perfeição se expresse
no meu corpo, que é templo de Divindade.
Pai teu Divino filho Jesus disse: pedi e recebereis, porque todo aquele que pede
recebe, portanto, tenho absoluta certeza de que a minha oração da cura já é a
própria cura. Para mim agora, só existe esta verdade: a cura total. Mesmo que a
imagem do mal permaneça por algum tempo no meu corpo, só existe em mim agora a imagem mental da cura e a verdade da minha saúde perfeita.
Todas as energias curadoras existentes em mim estão atuando intensamente, como
um exército poderoso e irresistível, visando os inimigos, fortalecendo as
posições enfraquecidas, reconstruindo as partes demolidas, regenerando todo o
meu corpo.
Sei que é o poder de Deus agindo em mim e realizando o milagre maravilhoso da
cura perfeita.
Esta é a minha verdade mental. Esta portanto é a verdade do meu corpo.
Agradeço-te, oh! pai, porque Tu ouvistes a minha oração.
Dou-te graças, com toda alegria e com todas as forças interiores porque tua
vontade de perfeição e saúde aconteceram em mim, em resposta ao meu pedido.
Assim é e assim será.
Um fraternal abraço, e a nossa vibração com a certeza de que a Paz se fará em
seu mundo íntimo.

Prece de Encerramento

Deus eterna Bondade


"Deus de eterna bondade, em prece de louvor entrego-te minha alma,
sê bendito meu pai em todos os recursos, ferramentas, processos e medidas dos quais te utilizasses à fim de que eu perceba que tudo devo à ti.
Agradeço-te pois o tesouro da vida,
a presença do amor,
a constância do tempo,
o sustento da fé,
o calor da esperança que me acena o porvir,
o santo privilégio de servir,
o pensamento reto que me faz discernir o que é mau e o que é bem, na clara obrigação de nunca desprezar ou de ferir alguém ...
Agradeço-te ainda, a visão das estrelas à esmaltarem de glória o lar celeste,
as flores do caminho,
os braços que me amparam e os gestos de carinho dos corações queridos que me deste.
Por tudo te agradeço e QUANDO te aprouver despojar-me dos bens com que me exaltas ... ensina-me senhor à devolver tudo o que me emprestas-te ...
Mas por piedade ó pai , deixa-me em tudo por apoio e dever , a benção de ACEITAR e o dom de COMPREENDER. " -

Momento da Fluidificação das águas (bênçãos).

Postado por Santo Andre Expansão às Segunda-feira, Agosto,05, 2013Santo André Expansão Evangelizadora do Lar
Brasil e Portugal, para: A Europa e o Mundo.
Por uma Humanidade mais Cristã!

Rinnovo dell'Anima :
Nossas ferramentas de comunicação, associem-se ao nosso Grupo e Blog:
Ananias Luiz Barreto ananiasbarreto@gmail.com
Hananias Huiz Bharreto peregrinosnolar.evangelho@gmail.com

Marcos Evangelista
Barretomarcosevangelistabarreto@gmail.com

Victor Passos
caminheirodapaz@gmail.com

Novos Links - façam.- se seguidores

Evangelho do lar S.André Expansão


Espiritismo em Debate

Atendimento Fraterno Directo


Acessem nossos links abaixo que encontrarão lá os temas.
Nosso Grupo – http://groups.yahoo.com/group/evangelhodolar/
Nosso Blog – http://santoandreevangelhodolar.blogspot.com/
Caso não queira mais receber esse tipo de e-mail, por favor, escrevam para:
Ananias Luiz Barreto: ananiasbarreto@gmail.com
Orientador - Victor Passos









Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *